Trabalho E Saúde Dos Catadores De Materiais Recicláveis Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil – Marcelo Cozzensa Da Silva

Trabalho E Saúde Dos Catadores De Materiais Recicláveis Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil – Marcelo Cozzensa Da Silva
Acessar

Resumo:

O Brasil é conhecido pelo grande volume de materiais que recicla. Para se ter uma idéia; em 2000; o país reciclava 78% do total de latas de alumínio; ficando atrás somente do Japão. Apesar disso; a mão de obra que atua nesse mercado; os chamados catadores de materiais recicláveis; sofre grande discriminação e está exposta a um grande número de riscos ocupacionais que provocam alta freqüência de ansiedade e depressão; dores nas costas; acidentes de trabalho entre outros problemas de saúde. Isto é o que mostra um estudo desenvolvido pelo doutorando Marcelo Cozzensa da Silva do Programa de Pós-graduação em Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas em meados de 2004. O estudo avaliou as condições de vida; trabalho e saúde dos catadores de materiais recicláveis entrevistando 455 catadores e; como grupo de comparação; 535 trabalhadores de outras profissões moradores nos mesmos bairros. O estudo mostrou que; apesar de morarem nos mesmos bairros; os catadores apresentaram piores condições de vida que seus vizinhos não-catadores. Para se ter uma idéia das condições de moradia dos catadores; a maioria das casas (54%) eram feitas de pedaços de madeira; metal ou outro tipo de material de baixa qualidade; 15% não possuíam água corrente em casa; 11% não possuíam luz elétrica e 18% não possuíam banheiro no domicilio. Quando se trata de escolaridade; 22% dos catadores não conseguiram completar; pelo menos; um ano de estudo. A média de renda familiar mensal foi de 188 reais; sendo que 90% tinham renda menor que dois salários mínimos; enquanto entre os não-catadores 39% tinham esta situação. No que se refere ao uso de equipamentos de proteção individual (EPI) entre os catadores somente 22% disseram usar luvas; 16% usavam botas e somente 1% relatou o uso de máscara. O equipamento mais comum utilizado para transportar os recicláveis foram os carrinhos de tração humana seguido pelo uso de charretes. A pesquisa verificou também que os catadores estão muito expostos a riscos no trabalho. Eles estão mais freqüentemente expostos a movimentos repetitivos; levantamento de peso durante suas atividades de trabalho; vibração e trabalho agachado do que seus vizinhos não-catadores. Um alto número de catadores informou ter contato com uma série de produtos químicos em seu dia-a-dia de trabalho; tais como; baterias de carro; graxa; tintas; herbicidas; inseticidas; solventes; produtos de limpeza entre outros. Além disso; um quarto dos catadores relatou ter contato com agulhas; seringas e gazes de utilização hospitalar e ambulatorial. Um outro problema enfrentado é que 50% desses indivíduos sentem-se discriminados pela sociedade pelo trabalho que desenvolvem. O estudo mostra ainda que os catadores apresentam muitos problemas de saúde relacionados com o trabalho. A ocorrência de dor lombar nos últimos 12 meses entre esses trabalhadores foi alta (49;2%); sendo bem superior a encontrada na população de Pelotas como um todo (35%). Houve também alta freqüência de sintomas de depressão e ansiedade (44;7%). Vinte por cento dos catadores relatou ter se ferido no último ano; sendo que as lesões mais comuns foram os cortes (59%); esfoladuras (15%); batidas e contusões (10%) e perfurações da pele (9%). As partes do corpo mais afetadas foram as mãos (50%); os membros inferiores (20%) e os pés (8%). Observando a partir de uma perspectiva ambiental; os catadores contribuem para a manutenção da saúde pública e possuem; portanto; importante função social. Apesar disso; eles continuam sendo discriminados pela sociedade. Assim; não seria recomendável promover regulamentações que viessem a desencorajar esse tipo de trabalho; uma vez que isto poderia piorar o problema da deposição de lixo e reduzir a reciclagem; bem como; aumentar o sofrimento desses trabalhadores. Entretanto; seria importante possibilitar a melhoria das condições de trabalho dos catadores. Para isto seria importante que tanto os catadores quanto a população se conscientizassem da importância destes trabalhadores para o meio ambiente. Assim; os catadores deveriam receber treinamento em saúde e segurança no trabalho e aprofundar a compreensão sobre o correto manuseio do lixo. Além disso; estes trabalhadores deveriam ter acesso aos EPIs e instrumentos necessários ao desenvolvimento do seu trabalho; bem como; a meios de transporte seguros. Por outro lado; a população também pode colaborar separando o lixo orgânico do lixo sólido e acondicionando o lixo de maneira adequada; tendo cuidado; por exemplo; com os objetos cortantes. A meta principal de governos e programas assistenciais deve ser a formalização do trabalho no setor de coleta e separação de materiais recicláveis. Somente então; este importante tipo de trabalho será reconhecido e respeitado. É necessário uma ação conjunta e coordenada da sociedade civil e de governantes para melhorar as condições de trabalho dos catadores e para recuperar o valor social e a dignidade humana desses indivíduos. Cada cidadão tem importante papel nesse p

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFPEL/EPIDEMIOLOGIA
  • Área de Conhecimento: MEDICINA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2006
  • Tamanho: 3.72 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: