Tolerância De Variedades De Cana-De-Açúcar A Herbicidas Aplicados Em Pós-Emergência E Efeitos Residuais Sobre Variedades De Girassol – Joseane Rodrigues De Souza

Tolerância De Variedades De Cana-De-Açúcar A Herbicidas Aplicados Em Pós-Emergência E Efeitos Residuais Sobre Variedades De Girassol – Joseane Rodrigues De Souza
Acessar

Resumo:

O experimento foi conduzido no Centro de Cana do Instituto Agronômico de Campinas; localizado no município de Ribeirão Preto; SP; com o objetivo de avaliar a tolerância de variedades de cana-de-açúcar a herbicidas aplicados em pós-emergência da cultura e o efeito residual no solo sobre variedades de girassol. O primeiro estudo foi desenvolvido em campo no delineamento de blocos casualizados em esquema de parcelas subdivididas com 36 tratamentos em quatro repetições. Foram utilizadas as variedades IACSP94-2094; IACSP94-2101; IACSP93-3046; IACSP94-4004; RB72454 e a IAC 86-2480; alocadas nas parcelas. Os herbicidas foram constituídos pela mistura pronta de diurom (1170 g ha-1) + hexazinona (330 g ha-1); diurom (1865 g ha-1) + hexazinona (234 g ha-1); metribuzim; tebutiurom; amicarbazona e uma testemunha; alocados nas sub-parcelas. Os herbicidas foram aplicados sobre a palha oriunda da colheita da cana-de-açúcar em pré-emergência das plantas daninhas e pós-emergência inicial da cultura; sendo todas as parcelas mantidas na ausência de plantas daninhas durante todo período experimental. Foram avaliados aos 15; 30 e 60 DAA (dias após aplicação) sintomas visuais de intoxicação; teor relativo de clorofila total e a razão de fluorescência da clorofila a; medições de altura foram feitas aos 30; 60; 90 e 180 DAA e de estande aos 30; 90 e 180 DAA. Por ocasião da colheita aos 330 DAA foram avaliados o diâmetro dos colmos; os teores de brix; pureza; pol; açúcares redutores (AR)%caldo; fibra%cana; açúcar total recuperado (ATR) e produção dos colmos (t ha-1). O segundo estudo foi desenvolvido em condições controladas (vasos) com o solo coletado na camada arável; após prévio tratamento com os mesmos herbicidas utilizados no primeiro experimento. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com 12 tratamentos em quatro repetições em esquema fatorial 2 x 6; sendo duas variedades de girassol (Uruguai e IAC Iarama); cinco herbicidas e uma testemunha. Os vasos (750 mL) foram preenchidos com solo proveniente do campo aos 30 e 90 DAA. O efeito residual dos herbicidas foi avaliado nas plantas de girassol aferindo-se aos 15 DAS (dias após a semeadura) a percentagem de germinação das sementes; velocidade de emergência e índice de velocidade de emergência das plântulas; sintomas visuais de intoxicação; altura e massa seca inicial das plântulas. Aos 30 DAS foram mensurados o teor relativo de clorofila total e a razão de fluorescência da clorofila a; altura e o número de folhas. E por fim; aos 50 DAS foi mensurada altura; número de folhas e a massa seca final das plantas. Os dados obtidos de ambos os estudos foram submetidos à análise de variância (teste F); para os vários contrastes de interesse; e as médias comparadas por meio do teste de Tukey com nível de significância de 5%; exceto para a produção de colmos que utilizou-se 10% de probabilidade. As variedades IACSP94-2094; IACSP94-2101; IACSP93-3046; IACSP94-4004; RB72454 e IAC 86-2480 não foram prejudicadas pelos herbicidas; apenas apresentaram diferenças inerentes à própria genética. Em todas as variedades observou-se apenas leves sintomas de intoxicação na fase inicial de desenvolvimento e não se constatou nenhum prejuízo ao aparato fotossintético; avaliado pelo teor relativo de clorofila total; mas quando avaliado pela razão de fluorescência da clorofila a (Fv/Fm) apresentou redução que não foi suficiente para prejudicar a altura; estande; qualidade tecnológica e produção das diferentes variedades de cana-de-açúcar estudadas. O solo tratado com os herbicidas apresentou indícios de resíduo até 90 dias após a aplicação; devido aos sintomas de intoxicação e aos prejuízos observados sobre a altura; número de folhas e massa seca das plantas de girassol das variedades Uruguai e IAC Iarama.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNESP/JAB/AGRONOMIA (PRODUÇÃO E TECNOLOGIA DE SEMENTES)
  • Área de Conhecimento: AGRONOMIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 382.57 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: