Ticumbi E A Arte De Curar Na Comunidade Da Vila De Itaúnas, Conceição Da Barra, Es, Como Expressões De Espacialidades – Maria Aparecida De Sá Xavier

Ticumbi E A Arte De Curar Na Comunidade Da Vila De Itaúnas, Conceição Da Barra, Es, Como Expressões De Espacialidades – Maria Aparecida De Sá Xavier
Acessar

Resumo:

Esta pesquisa apresenta uma investigação sobre os fazeres com saberes relacionados com a arte de curar na comunidade rural da Vila de Itaúnas, Conceição da Barra, ES, entendida como expressão de uma espacialidade, um modus vivendi. O espaço considerado é o espaço produzido, sendo a espacialidade identificada como o estado empírico concreto organizacional da forma de existência espacial dos entes. Parte-se do princípio que o estar do homem no mundo é espacial, como habitar, e a linguagem é a morada do ser, sendo que o ser que pode ser compreendido é linguagem, num sentido para além da lingüística. Neste caso, a forma de espacializar, habitar, encarna o ethos num território, tornando-o um lugar como o próprio, posto que o ser-aí – dasein – sendo, na linguagem e através dela, expressa sempre um modus vivendis. Esta forma de habitar pode ser lida e percebida como uma Paisagem Conivente, entendendo as paisagens como textos que podem ser lidos. O objetivo da pesquisa é compreender como as espacialidades são construídas pelos atores sociais na Vila de Itaúnas, por que, como e onde se apresenta dentro do recorte da investigação. Para tanto utiliza-se o método etnogeográfico, na perspectiva de capturar o sociocultural do espaço cotidiano e extra-cotidiano (festa), buscando uma síntese. O trabalho está centrado na discussão de cinco temas que se complementam na síntese, por meio de um processo dialético: (i) contextualização da Vila nos aspectos sócio-histórico-geográfico-cultural; (ii) momentos do estar no mundo discutidos como conceitos de espacialidade, territorialidade, lugar e os processos identitários na intersubjetividade; (iii) momentos da paisagem cultural (como um recorte de um momento, imagens capturadas e interpretadas); (iv) redes sociais interpretadas como redes de afeto; culminando com o momento etnogeográfico (v) fazeres com saberes de cura como expressão de uma espacialidade. Dois mapas são construídos para expressar a experiência do espaço vivido: um mapa mental e um mapa interpretativo. O Ticumbi (um baile ou encontro de congos) é interpretado como uma Instituição social, política e religiosa do catolicismo popular da Vila (a mais importante), e seus especialistas do ofício da arte de curar como uma subinstituição. Neste ofício, apresentamos e descrevemos um corpus de saberes das benzedeiras, rezador e parteira. Há uma distância entre saber biomédico e o saberes dos oficiais da arte de cura, o que representa prejuízo para a coletividade em seu direito à saúde e qualidade de vida. Nestas formas de pensar e agir, no processo saúde/doença/cura, revelou-se uma íntima relação entre sociedade-natureza, microcosmo e macrocosmo, que se apresentam no espaço vivido, como estratégias e táticas de espacialização do mundo, uma cosmologia onde essas formas se coadunam, inventam e reinventam um mundo. No conjunto, configura-se como um capital simbólico e verdadeiro patrimônio imaterial da coletividade da Vila de Itaúnas. Urge abrir um canal de comunicação entre Instituições do Estado e Instituições sociais, para fomentar um diálogo entre saberes. Que a Geografia não sirva apenas para fazer a guerra, que seus instrumentos possam promover a paz e o diálogo.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFF/GEOGRAFIA
  • Área de Conhecimento: GEOGRAFIA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 10.23 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: