Territorialidades No Mundo Globalizado: Outras Leituras De Cidade A Partir Da Cultura Hip Hop – Denilson Araújo De Oliveira

Territorialidades No Mundo Globalizado: Outras Leituras De Cidade A Partir Da Cultura Hip Hop – Denilson Araújo De Oliveira
Acessar

Resumo:

No mundo contemporâneo, as grandes cidades vêm se tornando, por excelência, espaços da territorialização de culturas mundializadas de forma intensa. Estes múltiplos processos de territorialização vêm sendo acompanhados da tradução e reelaboração destas culturas às novas realidades em que elas se inserem. A territorialização da Cultura Hip-Hop no Rio de Janeiro é um exemplo de uma cultura mundializada, que é traduzida e reelaborada à realidade carioca. A cultura Hip-Hop se constituiu nos guetos das cidades americanas nos anos 70 como uma cultura que já emerge globalizada, fruto do encontro de culturas migratórias e em diáspora, como os mexicanos, haitianos, jamaicanos, brasileiros, porto-riquenhos e afroamericanos segregados nos guetos americanos. A criação do Hip-Hop buscará romper com os conflitos entre as gangues nos guetos por domínio territoriais, isto é, o Hip-Hop é fruto da negação da violência e da afirmação de uma arena política, ao buscar transferir a violência da guerra de gangues para disputas culturais pela música, pela dança e pela expressão visual, nascendo aí seus elementos: o rap (a música), o break (a dança) e o grafite (os desenhos nos muros). O Hip-Hop ganhará dimensão espacial pelo mundo com a difusão de filmes e da música negra americana, a partir dos anos 70 e 80. O Hip-Hop no Rio de Janeiro e em todo o Brasil vem sendo apropriado majoritariamente por sujeitos das periferias sociais (morros, favelas, comunidades), que vêm resignificando os seus espaços cotidianos a partir desta cultura, buscando romper com os estereótipos sobre os negros, sobre os pobres e seus espaços de vivências. Ele vem se tornando no Rio de Janeiro, de forma tensa e contraditória, um instrumento na construção de uma cidadania insurgente dos sujeitos das periferias sociais como forma de negar o lugar sócioespacial imposto aos negros e pobres, criando territórios como forma de luta. Nossa proposta neste trabalho visa analisar os impactos territoriais deste fenômeno mundializado na cidade do Rio de Janeiro e os significados políticos que vem sendo produzidos pelas suas estratégias territoriais.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFF/GEOGRAFIA
  • Área de Conhecimento: GEOGRAFIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2006
  • Tamanho: 2.46 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: