Soroprevalência Da Infecção Pelo Vírus Da Hepatite A Em Quilombolas Do Brasil Central – Aline Garcia Kozlowski

Soroprevalência Da Infecção Pelo Vírus Da Hepatite A Em Quilombolas Do Brasil Central – Aline Garcia Kozlowski
Acessar

Resumo:

O vírus da hepatite A (HAV) é transmitido principalmente pela via fecal oral. A prevalência da infecção pelo HAV está associada às condições socioeconômicas e de higiene. No Brasil; a hepatite A é considerada uma infecção endêmica e alguns estudos têm revelado uma mudança no perfil de endemicidade de alto para intermediário devido as melhorias das condições sanitárias. Entretanto; a prevalência da infecção pelo HAV não é conhecida em todo o País. Este estudo teve como objetivo determinar a prevalência de anticorpos anti-HAV em comunidades quilombolas do Brasil Central. A população estudada foi constituída de 878 afro-descendentes da comunidade Kalunga; Goiás; e de 947 indivíduos das 12 comunidades quilombolas de Mato Grosso do Sul. As amostras de sangue foram colhidas após consentimento e entrevista para obtenção de informações sobre características demográficas. Todas as amostras foram testadas para o marcador anti-HAV total através de ensaio imunoenzimático (ELISA) e as amostras positivas para este marcador foram testadas para o marcador anti-HAV IgM também por ELISA. A prevalência global para a infecção pelo HAV foi de 80;9% (IC 95%:78;1-83;4%) na população Kalunga e de 75;6% (IC 95%:72;7-78;3%) na população quilombola de Mato Grosso do Sul. Os índices da infecção por comunidade variaram de 73-82;8% em Goiás e de 55;4-97;3% em Mato Grosso do Sul. Na população Kalunga; a prevalência da infecção na primeira década de vida foi de 44;8%; aumentando para 84% na faixa etária de 11-20 anos; alcançando 100% em indivíduos maiores que 61 anos. Já na população de Mato Grosso do Sul; a taxa de infecção na primeira década de vida foi de 26;7%; aumentando para 71% na faixa etária de 11-20 anos e alcançando 97% em indivíduos acima de 61 anos. Os resultados deste estudo mostram taxas elevadas de prevalência para a infecção pelo HAV em comunidades quilombolas do Brasil Central; enfatizando a importância de medidas de prevenção e controle; como melhoria das condições de saneamento básico e educação nessas comunidades.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFG/MEDICINA TROPICAL
  • Área de Conhecimento: SAÚDE PÚBLICA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2006
  • Tamanho: 444.43 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: