Sociabilidade Operária: As Influências Do Trabalho Industrial Na Perspectiva De Gênero – Hildegard Hedwig Pohl

Sociabilidade Operária: As Influências Do Trabalho Industrial Na Perspectiva De Gênero – Hildegard Hedwig Pohl
Acessar

Resumo:

Tendo como cenário a globalização e a reestruturação produtiva; vemos a redução dos postos de trabalho; a redução da qualidade do emprego; o crescimento da informalidade e a flexibilização das relações de trabalho. As transformações advindas deste processo incidem sobre todos os trabalhadores; em todas as esferas da vida cotidiana; levando ao enfraquecimento dos laços sociais. A combinação de transformações no campo produtivo (possibilidades de reprodução do modo capitalista; ampliação do processo de acumulação) e uma condição de gênero subalterna (visão patriarcal do mundo e de história) potencializam os efeitos das condições adversas. Buscou-se; nesta pesquisa; descobrir o quão marcantes são essas mudanças sobre as mulheres trabalhadoras. Em um quadro de grandes constrangimentos para a força de trabalho; nomeadamente industrial-feminina; a pesquisa objetiva avaliar como as trabalhadoras efetivas alocadas em linhas de produção de quatro indústrias de Santa Cruz do Sul; não pertencentes ao ramo fumageiro; percebem e descrevem a sua sociabilidade para além dos processos reprodutivos dos trabalhos fabril e doméstico e as influências de um trabalho industrial marcado por características restritivas. Trata-se de pesquisa qualitativa que tem; como método; a análise crítica do discurso e; entre os instrumentos de coleta de dados; as entrevistas com os gestores de RH; entrevistas individuais semiestruturadas; focalizadas e grupos focais. Os resultados apontam que; nas empresas; não existem projetos com foco na mulher; exceto aqueles relacionados às gestantes. Mostram; também; o baixo nível associativo das trabalhadoras; cuja participação se resume em freqüentar mensalmente a igreja ou grupo religioso e; eventualmente; as reuniões de associações de pais e mestres. Observa-se que o cotidiano das trabalhadoras é balizado pela estruturação do tempo de trabalho; que imprime suas marcas nos períodos de convívio e nas diversas formas de participação social. Isso porque; o ingresso persistente e crescente tem provocado alterações demográficas; de escolaridade; da estrutura familiar e a redefinição do papel social da mulher; sem alterar a condição feminina de responsável pelas tarefas domésticas e familiares. Esta condição; aliada a seu ingresso no mercado de trabalho; mantém a mulher distante do mínimo de sociabilidade necessária para uma maior autonomia; restringindo suas relações às familiares; limitando-se à reprodução social. Decorre daí a ausência feminina na esfera pública e a conseqüente desigualdade de acesso aos recursos; tais como tempo; poder e renda.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNISC/DESENVOLVIMENTO REGIONAL
  • Área de Conhecimento: PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2007
  • Tamanho: 1.23 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: