Avaliação Da Proficiência Oral Em Inglês Como Língua Estrangeira: Foco Na Competência Lexical E Uma Proposta Para O Processo De Validação Do Descritor “Vocabulário” De Um Teste De Proficiência […] – Melissa Alves Baffi Bonvino

Avaliação Da Proficiência Oral Em Inglês Como Língua Estrangeira: Foco Na Competência Lexical E Uma Proposta Para O Processo De Validação Do Descritor “Vocabulário” De Um Teste De Proficiência […] – Melissa Alves Baffi Bonvino
Acessar

Resumo:

Este estudo teve por objetivo analisar a competência lexical na produção oral em inglês como língua estrangeira (ILE) de um grupo de formandos em Letras, tanto em sala de aula como em situações de avaliação. Pretende-se oferecer um panorama da proficiência oral desses futuros professores, com foco no vocabulário, por meio de instrumentos de avaliação da proficiência oral utilizados tanto em situação de sala de aula como em situação de avaliação, para, com base nos resultados da análise do componente lexical, contribuir para o processo de validação dos descritores de vocabulário de um teste de proficiência destinado a professores de ILE, ainda em sua fase de elaboração. Considerando-se que a avaliação de línguas, no domínio da proficiência oral, tem sido amplamente discutida na literatura internacional de Linguística Aplicada, esta pesquisa envolve questões acerca da proficiência necessária para professores de ILE, ingressantes no mercado de trabalho no contexto de ensino e aprendizagem de LE no Brasil. É sabido que o vocabulário se constitui em um dos componentes mais importantes da proficiência em língua estrangeira (STÆR, 2008), no entanto, no que concerne à competência lexical, a maioria dos estudos tem enfocado o conhecimento de vocabulário em vez de seu uso produtivo (HILTON, 2008). Além disso, pouco se sabe sobre a verdadeira relação entre a produção oral de vocabulário e os níveis de proficiência adotados na avaliação de proficiência oral. Diante desta questão, esta pesquisa, realizada em uma universidade estadual paulista, almeja investigar a competência lexical com base na linguagem produzida oralmente tanto em sala de aula como em situações de avaliação. Uma vez que os testes orais dos consagrados exames FCE e IELTS consideram as várias competências envolvidas na produção oral, entre elas, o vocabulário, a competência lexical é analisada por meio de dois simulados do teste oral do FCE e dois simulados do teste oral do IELTS, ambos baseados nos modelos de competência comunicativa de Bachman (1990), Canale e Swain (1980) e Canale (1983) (GALACZI & KHALIFA, 2009). Somando-se aos simulados dos testes consagrados, os participantes se submeteram a mais um teste oral, o TEPOLI (CONSOLO, 2004), elaborado como um teste piloto para um projeto de pesquisa maior sobre a avaliação da proficiência oral de formandos de vários cursos de Letras no Brasil. Para a avaliação da produção oral em situação de sala de aula, considera-se a linguagem produzida durante seminários, igualmente importante para o estudo. Esta pesquisa é de caráter interpretativista e faz uso de procedimentos qualitativos e quantitativos. Para a análise dos dados produzidos durante os seminários e testes orais, utiliza-se o programa RANGE (Victoria University of Wellington), que conta e categoriza o vocabulário, além de uma análise estatística descritiva. Com base em oito estudantes que participaram em todas as ocasiões de coleta de dados, os resultados das categorias de Tipos e Famílias de palavras são fundamentais para o estudo, por indicarem maior variação no uso de itens lexicais. Os resultados indicam que os estudantes apresentaram, em um segundo momento de aplicação de testes orais, melhor competência lexical na produção oral, sendo possível observar semelhanças entre os níveis de proficiência quando os resultados dos seminários e dos testes orais FCE, IELTS e TEPOLI foram comparados. Entrevistas individuais e questionários também foram utilizados para a coleta de dados, de modo que as expectativas e as percepções dos alunos, examinadores e do professor da disciplina Língua Inglesa fossem consideradas no intuito de oferecer uma visão mais ampla do contexto investigado. Com base na produção oral dos alunos-formandos durante o processo de avaliação, a análise do vocabulário e da linguagem produzida de acordo com os critérios de avaliação dos testes utilizados, sobretudo com relação aos critérios para avaliar o vocabulário, almejou contribuir para a validação dos descritores de vocabulário do teste TEPOLI, por meio de uma proposta de critérios mais objetivos para a avaliação de proficiência lexical.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNESP/ESTUDOS LINGÜÍSTICOS
  • Área de Conhecimento: LINGÜÍSTICA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2010
  • Tamanho: 4.99 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: