Transformações Socioespaciais Na Cidade-Região Em Formação: A Economia Geopolítica Do Novo Arranjo Espacial Metropolitano – Felipe Nunes Coelho Magalhães

Transformações Socioespaciais Na Cidade-Região Em Formação: A Economia Geopolítica Do Novo Arranjo Espacial Metropolitano – Felipe Nunes Coelho Magalhães
Acessar

Resumo:

Este estudo tem como objetivo abordar a configuração da cidade-região atualmente em curso no Brasil; e os processos socioespaciais diversos que a compõem. Entendemos a cidade-região como a metrópole somada de sua hinterlânida imediata; incluindo uma série de centralidades de pequeno e médio porte no alcance dos processos de metropolização. Privilegia-se uma perspectiva teórica acerca do tema; partindo de uma proposta da morfologia da cidade-região; passando por uma contextualização histórica do objeto de estudo visando esclarecer sua relação com os processos econômico-espaciais contemporâneos (sobretudo no que diz respeito à restruturação produtiva); e chegando ao ponto de vista lefebvriano acerca da produção do espaço. Tendo em vista a intensificação da integração da metrópole com as centralidades vizinhas; e a tendência à localização das unidades industriais pós-fordistas nestas cidades; propomos a cidade-região como uma escala apropriada para o regime de acumulação flexível (da mesma forma que a metrópole foi o espaço produzido pelo regime de acumulação fordista). Deste modo; não se trata simplesmente da metrópole estendida; mas de outro ente geográfico; cujos processos de formação são distintos daqueles ligados ao histórico de formação da metrópole. A produção do espaço no entorno metropolitano se dá a partir do processo de urbanização extensiva; que se situa num embate entre o espaço social e o espaço abstrato; alterando a lógica de reprodução dos lugares a partir da extensão das condições gerais de produção; que fornecem as bases para um aprofundamento do processo de acumulação nestas localidades. Outro fator importante é a saturação das áreas industriais constituídas (a partir da industrialização fordista) no bojo do processo de metropolização; somada à involução metropolitana; que são processos socioespaciais que alteram os núcleos metropolitanos; expulsando determinados elementos para as regiões vizinhas. Além da restruturação das economias locais nas cidades dos entornos metropolitanos; a cidade-região envolve a difusão do urbano enquanto substantivo; de um tecido urbano que não se traduz em cidade; cuja expressão mais significativa; em crescimento nos arredores das grandes metrópoles brasileiras; são os parcelamentos residenciais cercados; criando espaços compartimentados; de valor de uso privatizado e contribuindo para a segregação socioespacial na própria metrópole. A formação da cidade-região traz novos embates para o lugar; carregando diversos problemas e conflitos anteriormente restritos ao tecido metropolitano adensado; ao mesmo tempo em que potencializa mobilizações e organizações autônomas em busca de um aprofundamento da democracia. Neste sentido; o direito à cidade; entendido como uma luta do espaço social pela cidade enquanto valor de uso democraticamente aberto à apropriação; permanece no centro desta luta pelo lugar. O planejamento e o desenvolvimento local resultantes deste quadro no lugar inserido no âmbito da cidade¬região situam-se entre dois pólos: o aprofundamento da democracia e o planejamento estratégico (que tem como uma de suas ferramentas principais o marketing da cidade); tendência que vem dominando o planejamento urbano atual.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFMG/GEOGRAFIA
  • Área de Conhecimento: GEOGRAFIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 3.27 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: