Transdução De Energia E Produção De Calor Pela Ca2+-Atpase De Retículo Sarcoplasmático De Músculos Cardíaco E Esquelético – Luisa Andrea Ketzer

Transdução De Energia E Produção De Calor Pela Ca2+-Atpase De Retículo Sarcoplasmático De Músculos Cardíaco E Esquelético – Luisa Andrea Ketzer
Acessar

Resumo:

A Ca2+ -ATPase do retículo sarcoplasmático (SERCA) é capaz de transportar Ca2+ do citoplasma para o lúmen do retículo sarcoplasmático usando a energia derivada da hidrólise de ATP. Durante o transporte; a SERCA é capaz de interconverter diferentes formas de energia. Neste trabalho; estudamos os efeitos do hormônio tireoideano e da exposição ao frio na taxa de produção de calor pela SERCA. Isso foi testado usando vesículas derivadas do retículo sarcoplasmático de músculos esquelético e cardíaco de coelhos. Além disso; comparamos a produção de calor pela SERCA em músculo esquelético de ratos e coelhos e a capacidade do músculo cardíaco em utilizar glicose 6-fosfato como sistema regenerador de ATP. Verificamos que o hipertireoidismo promoveu um aumento da expressão de SERCA 2a e da fosforilação de fosfolambam (PLB) no músculo cardíaco; levando a um aumento nas taxas de captação de Ca2+ e hidrólise de ATP. O consumo de oxigênio cardíaco foi significativamente aumentado nos animais hipertireóideos. No hipotireoidismo; observamos uma inibição da SERCA 2 cardíaca promovida pelo aumento da expressão de PLB e redução da fosforilação de PLB. A exposição ao frio (4°C) por 72 horas levou a alterações semelhantes àquelas observadas no hipertireoidismo. Os efeitos detectados em 72 horas de exposição ao frio foram revertidos quando a duração de exposição ao frio foi aumentada para 240 horas. O hormônio tireoideano e a exposição ao frio não foram capazes de alterar a quantidade de calor produzida pela SERCA 2a cardíaca durante a hidrólise de ATP. Um aumento da expressão de SERCA 1 e da taxa de produção de calor foi detectado em músculo esquelético vermelho de coelhos eutireóideos e hipotireóideos expostos a 4°C por 240 horas. A taxa de produção de calor pela SERCA 1 de rato foi maior do que a medida em coelhos. Portanto; além do tecido adiposo marrom; o músculo esquelético de ratos representa um importante sítio de produção de calor que pode ser mobilizado para o controle da termogênese. Finalmente; mostrou-se que o músculo cardíaco de ratos e coelhos é capaz de utilizar glicose 6-fosfato como sistema regenerador de ATP para transportar Ca2+ . Em conclusão; este trabalho mostra que a adaptação ao frio promoveu diferentes modificações na respiração e produção de calor nos músculos cardíaco e esquelético de coelhos.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFRJ/QUÍMICA BIOLÓGICA
  • Área de Conhecimento: BIOQUÍMICA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 4.24 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: