Transcendendo A Questão Histórica: A Configuração Da Ironia Em Desonra, De J. M. Coetzee – Daniela Freitas Torres

Transcendendo A Questão Histórica: A Configuração Da Ironia Em Desonra, De J. M. Coetzee – Daniela Freitas Torres
Acessar

Resumo:

Na presente dissertação, apresentamos uma proposta interpretativa para o romance Desonra, de J.M. Coetzee, à luz de reflexões sobre entidade narrativa, aspectos da teoria pós-colonial e ironia romântica. Através delas, também remetemos aos possíveis conhecimentos gerados e veiculados pela obra a partir da leitura realizada. A hipótese norteadora deste trabalho é a de que se trata de uma narrativa literária que está apresentando os problemas contundentes do mundo contemporâneo, tais como mudanças socioculturais significativas e situações específicas inerentes à condição humana. A discussão e a análise de tais temas constituem o objetivo deste trabalho. Para realizar a pesquisa, buscamos referencial teórico em autores como Tacca, Kierkegaard, Muecke, Duarte, Krause, Bhabha e Hall. A pesquisa estrutura-se em quatro capítulos em que apresentamos primeiro um histórico sobre a África do Sul, o desenvolvimento de sua literatura e considerações sobre J. M. Coetzee, depois, investigamos a figura do narrador na referida obra, analisando as artimanhas utilizadas no relato da história, voltamo-nos também, para aspectos teóricos que envolvem o termo pós-colonial e sua aplicação às situações apresentadas no romance e, por fim, abordamos a questão da ironia, em especial a ironia romântica, considerando-a como a perspectiva filosófica que possibilita nossa proposta interpretativa. Nas considerações finais retomamos as principais ideias do texto, relacionando-as às teorias e explicitamos os apontamentos a que chegamos após a realização da pesquisa.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNISC/LETRAS
  • Área de Conhecimento: LETRAS
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2010
  • Tamanho: 617.70 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: