Trabalho Médico E Alienação: As Transformações Das Práticas Médicas E Suas Implicações Para Os Processos De Humanização/Desumanização Do Trabalho Em Saúde – Rogério Miranda Gomes

Trabalho Médico E Alienação: As Transformações Das Práticas Médicas E Suas Implicações Para Os Processos De Humanização/Desumanização Do Trabalho Em Saúde – Rogério Miranda Gomes
Acessar

Resumo:

O tema da humanização dos serviços e práticas de saúde vem sendo objeto atualmente de várias elaborações e pesquisas no campo da saúde coletiva em razão de sua importância para constituição de práticas e serviços centrados no cuidado e na integralidade da atenção. Esse estudo teve como objetivo a análise das transformações contemporâneas do trabalho médico e suas implicações para os processos de humanização/desumanização do trabalho em saúde. Optou-se pela metodologia de vertente qualitativa, sendo que a coleta de dados baseou-se na triangulação das técnicas de entrevista em profundidade sob a forma de seis histórias de vida profissional de médicos e de análise documental. A fim de analisar como as transformações em andamento nas práticas médicas e de saúde afetam a relação entre profissional de saúde e usuário de forma a caracterizá-la como desumanizante, nos valemos do substrato filosófico da dialética humanização-alienação. O estudo das transformações pelas quais passam o trabalho médico e em saúde demonstrou a conformação de dinâmicas potencializadoras de relações simultaneamente humanizadoras e alienantes entre seus sujeitos constituintes e destes com os demais elementos componentes dos processos assistenciais em saúde. Por um lado, o movimento permanente de desenvolvimento de teorias, métodos e práticas cada vez mais eficientes na abordagem das condições de sofrimento dos sujeitos, principalmente em sua dimensão orgânica, representa uma dimensão humanizadora inegável do trabalho em saúde, expressando aqui um elemento constituidor do gênero humano como cada vez mais rico e complexo. Por outro lado, a repercussão desse acúmulo genérico no plano dos sujeitos e coletivos concretos tende a produzir implicações contraditórias, expressas, por exemplo, na (re)produção de graus significativos de desumanização e sofrimento. Exemplo disso é como os movimentos contemporâneos de socialização do trabalho médico e em saúde sob referenciais centrados na heteronomia, na racionalidade de base empresarial, na divisão técnica reificada e no papel determinante exercido pelo capital no interior do setor saúde contribuem para a conformação de processos de trabalho progressivamente subordinadores do agir autodeterminado, reflexivo e criativo dos agentes a dinâmicas fetichizadas e instrumentalizadoras, tanto para eles quanto para usuários dos serviços. Também em função dessa ampla gama de transformações, evidencia-se um aprofundamento do estranhamento dos médicos em relação às determinações sociais de sua prática, dos demais sujeitos e de seus sofrimentos. Analisou-se como esses agentes podem estabelecer relações reificantes com seus instrumentos de trabalho, seja na forma de equipamentos, seja na forma de tecnologias não-materiais, como as várias formas de rotinas e protocolos, contribuindo para um descentramento dos sujeitos no interior das práticas de saúde. O trabalho em saúde, destarte, constitui-se como cenário-processo onde o desenvolvimento da dialética humanização-alienação expressa a tensão permanente entre, por um lado, a busca do devir consciente e autodeterminado pelos sujeitos e, por outro, sua subordinação por dinâmicas reprodutoras de relações sociais desumanizantes.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: USP/MEDICINA (MEDICINA PREVENTIVA)
  • Área de Conhecimento: SAÚDE COLETIVA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2010
  • Tamanho: 3.73 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: