Trabalho E Educação Do Campo: A Evasão Da Juventude Nos Assentamentos De Reforma Agrária: O Caso Do Assentamento José Dias – Fabiano Antonio Os Santos

Trabalho E Educação Do Campo: A Evasão Da Juventude Nos Assentamentos De Reforma Agrária: O Caso Do Assentamento José Dias – Fabiano Antonio Os Santos
Acessar

Resumo:

Este trabalho analisa os aspectos que influenciaram na evasão de parte considerável da juventude moradora do Assentamento José Dias, localizado na, até então, Fazenda Pinheiros, no município de Inácio Martins – PR, que foi formado em 1988, em decorrência das ações do MST no âmbito da questão agrária brasileira. Buscou-se esclarecer os impactos que o capitalismo impõe sobre a vida dos camponeses pobres de modo geral e da sua juventude em específico. Verificaram-se através da caracterização das condições de vida dos assentados, os aspectos ligados à evasão juvenil. Para isso foram observadas as percepções dos próprios jovens, dos moradores assentados sob a forma de produção “coletiva” e dos assentados organizados na produção de forma individualizada. A pesquisa de campo com os camponeses, no Assentamento, foi realizada no período de fevereiro e março de 2005. Analisou-se o processo de constituição do latifúndio no Brasil, desde a época dos primeiros invasores portugueses, até a fase atual. Foi examinado o processo de constituição do MST no Brasil e no Paraná, bem como as principais formulações de seus dirigentes na definição da luta pela terra. Para que se configurassem as condições socioeconômicas do Paraná e da região em que se encontra o Assentamento José Dias, foram examinados dados que explicitassem as dificuldades de realização das necessidades imediatas de toda a população residente no referido município. Investigou-se o processo de organização e ocupação da área e como se desenvolveu a organização do acampamento até a conquista da terra pelos camponeses. Foram adotadas as categorias trabalho, produção e cultura, para analisar as causas da evasão da juventude. Os dados obtidos foram coletados através de entrevistas semi-estruturadas, realizadas com as famílias assentadas. Os resultados mostram que os segmentos da juventude têm saído das terras conquistadas a partir de um conjunto de fatores, relacionados às condições socioeconômicas a que os jovens estão submetidos no Assentamento. Observou-se também que a falta de condições materiais voltadas para o lazer, a cultura e a educação, tem sido decisiva para que muitos jovens deixem o Assentamento para viver nas cidades. Quanto às conseqüências de tal evasão, verificou-se uma crescente preocupação dos assentados, já que a continuidade do Assentamento, enquanto expressão da conquista da terra, está ameaçada, pelo “envelhecimento” dos moradores. De outro lado, as conseqüências estão voltadas para a própria constituição e continuidade do MST, já que a falta de identidade, devido às dificuldades de produzir suas vidas, têm feito a juventude se afastar dos aspectos de luta defendidos pelo MST.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFPR/EDUCAÇÃO
  • Área de Conhecimento: EDUCAÇÃO
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 3.14 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: