Tonalidades Afetivas Na Dramartugia Existencial De El Astillero – Máximo Daniel Lamela Ado

Tonalidades Afetivas Na Dramartugia Existencial De El Astillero – Máximo Daniel Lamela Ado
Acessar

Resumo:

A presente pesquisa tem como objetivo mostrar o tema da tonalidade afetiva heideggeriana na literatura do escritor uruguaio Juan Carlos Onetti; em especial no romance El astillero. Parte do pressuposto heideggeriano de que a transcendência do Dasein só encontra sentido próprio em seus existenciais. Sendo a disposição afetiva (Stimmung); assim como a compreensão e o discurso; um existencial constitutivo do Dasein; não pode ser interpretada como um psicologismo; ou estado anímico do ente; mas sim; implicada em seu agir como ser-no-mundo. Nisso; retoma-se a idéia heideggeriana de que a essência do Dasein reside em sua existência e a tonalidade afetiva é um modo constitutivo desse existir. Destarte recorre à filosofia heideggeriana para; através dessa noção; discorrer a respeito da atmosfera de El astillero; enquanto Stimmung histórica do tédio profundo. E também; a interpretação de algumas personagens afinadas; correlativamente; a essa atmosfera e a outras tonalidades afetivas de destaque na filosofia heideggeriana; assim como o temor e a angústia; enquanto Stimmung da decisão autêntica de viver na presença da morte.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFSC/LITERATURA
  • Área de Conhecimento: TEORIA LITERARIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2007
  • Tamanho: 508.83 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: