Tolerar É Pouco?: Por Uma Filosofia Da Educação A Partir Do Conceito De Tolerância – Marcelo Gustavo Andrade De Souza

Tolerar É Pouco?: Por Uma Filosofia Da Educação A Partir Do Conceito De Tolerância – Marcelo Gustavo Andrade De Souza
Acessar

Resumo:

A tolerância; às vezes; é considerada uma atitude antipática de quem não quer aceitar e muito menos amar o outro; mas apenas suportar ou permitir; como um favor de condescendência; que o outro exista. Não é esta a perspectiva assumida nesta pesquisa. O conceito de tolerância se coloca cada vez mais na pauta de discussão porque a intolerância com a diferença tem sido uma realidade recorrente em nossas sociedades. Inegavelmente estamos caracterizados pela diferença e; não obstante; parece que não sabemos tratá-la. A humanidade – marcada dolorosamente pela escravidão dos negros; pelas guerras religiosas; pelo genocídio dos povos ameríndios; pelo holocausto dos judeus; pela aversão à homossexualidade e pela submissão das mulheres – busca não mais permitir as manifestações de intolerância com o diferente; pois a intolerância não é apenas questão de não aceitar as opiniões divergentes; ela é agressiva e com freqüência assassina em seu ódio à diversidade alheia. Neste sentido; a educação tem um papel fundamental a desempenhar no embate por sociedades menos intolerantes e mais abertas às diferenças que dignamente nos constituem enquanto humanos. Porém; não se trata de uma educação qualquer. É imperativo que seja um projeto educacional capaz de entender e incorporar em sua prática pedagógica o valor da tolerância; que precisa ser fundamentado e consolidado. Minha pesquisa visa contribuir com esta demanda. Para isso; busquei refazer o desenvolvimento do conceito de tolerância; desde a Renascença até os tempos atuais; destacando o embate histórico entre intolerância e tolerância. Para explorar o conceito de intolerância utilizei o referencial teórico de Hannah Arendt; em especial o conceito de “banalidade do mal”. Para fundamentar o conceito de tolerância recorri ao pensamento de Adela Cortina sobre uma “ética de mínimos”. Meu trabalho; em última instância; sustenta que tolerar não é pouco; mas; ao contrário; trata-se de um valor-atitude basilar; tanto no campo das normas éticas quanto no campo educacional. Tolerância é um mínimo moralmente exigível; aquele pouco que nos revela o fundamental. E o que é fundamental; na verdade; não é pouco; é sim o imprescindível; o valioso; o essencial; aquilo que em hipótese nenhuma pode faltar em nossas relações sociais e muito menos na prática educativa.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: PUC-RIO/EDUCAÇÃO
  • Área de Conhecimento: EDUCAÇÃO
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2006
  • Tamanho: 1.33 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: