Tipos E Graus De Moagem De Milho No Concentrado De Bezerras Na Fase De Aleitamento – Cibele Costa Santos

Tipos E Graus De Moagem De Milho No Concentrado De Bezerras Na Fase De Aleitamento – Cibele Costa Santos
Acessar

Resumo:

O milho é utilizado diretamente como alimento para humanos e animais domésticos e transformado industrialmente para produção de diversos produtos. O custo elevado da criação de bezerras é devido, principalmente, à alimentação constituída basicamente de leite, mas a substituição do leite por um produto de custo mais baixo pode reduzir esse alto custo. O fornecimento de concentrado nas primeiras semanas de vida das bezerras é recomendado, pois estimula seu consumo precoce de concentrado. O experimento foi conduzido na Fazenda Paulistinha, Macarani – BA, utilizando 54 bezerras, com sete dias de idade. Foi testado o efeito do concentrado utilizando dois tipos de milho: duro e mole, com três diferentes graus de moagem (1, 3 e 5 mm), sobre o consumo, desempenho e digestibilidade de bezerras mestiças de origem leiteira na fase de aleitamento. Foi utilizado o delineamento em blocos ao acaso (DBC), em arranjo fatorial 2 x 3. O experimento durou 60 dias, dos quais nos sete primeiros dias as bezerras receberam os cuidados tradicionais utilizados na fazenda e 4 L de leite. A partir do sétimo dia de vida, além dos 4 L de leite, começaram a receber concentrado, no máximo 2 kg.animal.dia-1 e água à vontade. Foram realizadas pesagens e tomadas as medidas de altura de cernelha e circunferência torácica dos animais, no inicio do experimento, aos 30 dias e ao final do experimento. Foi realizado um ensaio de digestibilidade com 24 bezerras, durante cinco dias consecutivos, quando as bezerras completavam 61 dias. Diariamente, as fezes eram coletadas e pesadas, pela manhã e à tarde, utilizando bolsas coletoras. Ao final do quinto dia, foi feita uma amostra composta, com amostragem proporcional aos cinco dias. Foram analisados os nutrientes digestíveis totais e a digestibilidade da matéria seca, da proteína bruta, do extrato etéreo e dos carboidratos não fibrosos. Não houve interação significativa entre o grau de moagem x tipo de milho para nenhuma variável estudada. O consumo diário de matéria seca foi maior (P<0,05) para milho duro (243 g.dia-1) quando comparado com milho mole (160 g.dia-1). Os consumos totais de matéria seca, proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente neutro, fibra em detergente ácido, matéria mineral, carboidratos não fibrosos e carboidratos totais diferiram (P<0,05) para tipo de milho, sendo maior em todas as variáveis para o milho duro. Para grau de moagem, foi encontrada diferença estatística (P<0,05) para consumo de matéria seca, proteína bruta e extrato etéreo, com consumo maior para moagem com peneira de 5 mm. Não foi verificada diferença significativa (P>0,05) para ganho médio diário, altura de cernelha, altura de garupa, aumento de circunferência torácica e conversão alimentar para os tipos de milho. O grau de moagem causou diferença (P<0,05) na altura de cernelha e na circunferência torácica. A conversão alimentar não diferiu (P>0,05) para tipo de milho e grau de moagem. Quanto à digestibilidade, houve efeito (P<0,05) de milho na matéria seca (78,9% e 84,3%), para milho mole e duro, respectivamente. Em relação ao grau de moagem, também foi maior o valor para grau de moagem de 5 mm (84,2%). Não foram encontradas diferenças (P>0,05) para digestibilidade do extrato etéreo, fibra em detergente neutro e carboidratos não fibrosos. Não houve influência do tipo de milho e do grau de moagem sobre o teor de nutrientes digestíveis totais.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UESB/ZOOTECNIA
  • Área de Conhecimento: ZOOTECNIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 77.49 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: