Testes De Corrida/Caminhada De 6 A 9 Minutos: Validação E Determinantes Metabólicos Em Adolescentes. – Thiago Del Corona Lorenzi

Testes De Corrida/Caminhada De 6 A 9 Minutos: Validação E Determinantes Metabólicos Em Adolescentes. – Thiago Del Corona Lorenzi
Acessar

Resumo:

O entendimento da aptidão cardiorrespiratória em crianças e jovens é hoje uma estratégia fundamental de controle da saúde em geral. No entanto, avaliar a aptidão cardiorrespiratória, de forma direta, demanda um custo financeiro alto, pessoal especializado e um tempo excessivo. Nesta perspectiva, inúmeros estudos vêm propondo testes que avaliem, de forma indireta, a aptidão cardiorrespiratória de crianças e jovens. Assim, o objetivo geral do estudo foi compreender os testes de corrida/caminhada de 6 e de 9 minutos e as relações que estes estabelecem com o VO2máx, economia de movimento (EM) e limiar anaeróbio (LA). O estudo propõe uma abordagem de validação de técnica de medida. A amostra foi do tipo não aleatória por conveniência, de corte transversal. Foram avaliados 96 sujeitos, sendo 46 do sexo masculino e 50 do sexo feminino, na faixa etária de 10 a 14 anos de idade. O estágio maturacional foi determinado de acordo com a pilosidade púbica através de Tanner (1962). Os testes de corrida/caminha de 6 e de 9 minutos foram avaliados pela maior distância alcançada no tempo determinado de cada teste. Os componentes da aptidão cardiorrespiratória foram obtidos através de um teste em esteira de carga progressiva até a exaustão, acompanhado pelo ergoespirômetro MedGraphics Cardiorespiratory Diagnostic Systems, modelo MGC/CPX-D. O valor médio de VO2 registrado durante o 4° minuto, a uma velocidade constante, foi considerado o valor de EM. VO2máx que foi obtido pelo maior valor alcançado durante o teste. O limiar ventilatório (LV) foi entendido como o VO2 expresso pelo segundo ponto de inflexão na curva de ventilação e do custo ventilatório de CO2 de cada indivíduo. Para todas as análises estatísticas foi utilizado o programa estatístico SPSS for Windows 10.0. O nível de significância adotado foi de 5%. Os principais resultados apontam que os índices alcançados no teste de 9 minutos (r= 0,632) apresentam melhor relação com o VO2máx de simples razão (ml.kg-1.min-1 ou kg-1) do que os mesmos no teste de 6 minutos (r=0,393). No entanto, o valor de r aumenta para 0,704 e 0,728 nos testes de 6 e de 9 minutos, respectivamente, quando os relacionamos com o VO2máx em expoentes alométricos (kg-0,67). Quanto ao comportamento dessas variáveis durante a puberdade, notamos incremento nos dois testes aeróbios e no VO2máx quando expresso em kg-0,67. No VO2máx (kg-1), os valores médios durante a puberdade se mantiveram estáveis. Quanto às diferenças entre os sexos, percebemos que os valores obtidos pelos meninos superam os das meninas em todas as variáveis. No entanto, percebemos que as diferenças são potencializadas quando expressamos o VO2máx em escalas alométricas (kg-0,67). No âmbito dos componentes da aptidão cardiorrespiratória constatamos que o VO2máx (kg-0,67), aliado a EM (%VO2máx) foram as variáveis que apresentaram maior poder preditivo sobre os testes aeróbios de campo analisados neste estudo, representando geralmente mais de 60% da explicação desses. Já o LV não estabeleceu relações suficientemente capazes de ser apontado como variável preponderante no desempenho dos testes de corrida/caminhada de 6 e de 9 minutos. Dessa forma, podemos concluir que os dois testes analisados são válidos para a avaliação da aptidão cardiorrespiratória se assumirmos que o VO2máx é mais bem representado pelo expoente de massa corporal kg-0,67. Além disso, constatamos que a EM, aliado à capacidade aeróbia máxima é fundamental no desempenho de testes de características aeróbias. Sendo assim, podemos sugerir a utilização do teste de corrida de 6 minutos à professores de educação física como parâmetro da aptidão cardiorrespiratória de seus alunos, pois além de ser um teste simples, de fácil compreensão e que permite sua aplicação em diferentes estruturas físicas, apresentou uma alta relação com o consumo máximo de oxigênio (kg-0,67).

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFRGS/CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO
  • Área de Conhecimento: EDUCAÇÃO FÍSICA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2007
  • Tamanho: 942.87 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: