Sofrimento Psíquico Grave De Adolescentes Em Privação De Liberdade: Um Estudo Exploratório – Carolina Moreira De Alcântara

Sofrimento Psíquico Grave De Adolescentes Em Privação De Liberdade: Um Estudo Exploratório – Carolina Moreira De Alcântara
Acessar

Resumo:

Este estudo teve como principal objetivo sistematizar os principais aspectos psicossociais e socioeducacionais que se relacionam com o sofrimento psíquico de adolescentes que cumprem medida sócio-educativa em privação de liberdade. Para tanto, buscou-se verificar os principais sinais e sintomas identificados pelos próprios sujeitos em relação à sua condição de saúde/doença mental. De maneira semelhante, objetivou-se conhecer as percepções sobre as condições ambientais da instituição pesquisada e a utilização dos atuais recursos disponíveis pelas Gerência de Saúde e Gerência da Escola. A proposta metodológica dessa pesquisa se baseou na análise quanti-qualitativa de entrevistas semi-estruturadas realizadas com 36 internos em uso de medicação psiquiátrica contínua. Os dados apontaram que as experiências de insônia e pesadelos, associadas ou não às vivências de perda de realidade (alucinações) constituíram a queixa mais frequente. O comportamento autopunitivo apareceu em segundo lugar. Com relação aos fatores ambientais, verificou-se que a instituição é percebida, de modo geral, como sendo um ambiente seguro e estável, garantindo a integridade física e a manutenção da saúde. Dentre os atuais recursos disponíveis pelo núcleo da Saúde, notou-se que a administração de anticonvulsivantes, em associação com outros psicotrópicos tem sido amplamente utilizada. A escola foi percebida como importante dispositivo de saúde mental disponível na instituição. Por meio das percepções dos adolescentes que não gostam de ir à escola, pôde-se verificar que esse grupo, não desvaloriza o saber, ao contrário, anseiam por conhecimento, entretanto, frustraram-se por não terem suas necessidades educacionais adequadamente atendidas, afirmando que a escola é fraca ou que simplesmente não aprendem. Por fim, dentre as conclusões possíveis, orientadas pelo pensamento winnicottiano, observou-se que a instituição em análise é percebida enquanto representante da função paterna. Todavia, para que o processo de autocura seja alcançado, tal como Winnicott compreende, é necessário que se atue também na formação de vínculos terapêuticos. O grupo de professores é identificado como a principal ferramenta de mudança.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNB/PSICOLOGIA CLÍNICA E CULTURA
  • Área de Conhecimento: PSICOLOGIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2010
  • Tamanho: 887.74 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: