Sobrevivência In Vitro E Fertilidade Do Sêmen Suíno Diluído Em Diferentes Taxas De Diluição E Conservado A 17 ºc – Darlete Lima Matos

Sobrevivência In Vitro E Fertilidade Do Sêmen Suíno Diluído Em Diferentes Taxas De Diluição E Conservado A 17 ºc – Darlete Lima Matos
Acessar

Resumo:

A inseminação artificial (IA) na espécie suína é uma técnica já bem estabelecida na rotina das centrais de produção; porém; para serem alcançados lucros é fundamental cada vez mais seu aperfeiçoamento. Assim; a pesquisa nessa área tem buscado reduzir os custos com cobertura e potencializar o emprego dos machos geneticamente superiores; destacandose pesquisas que buscam desenvolver protocolos de IA; utilizando um reduzido número de espermatozóides/fêmea/ano. Dessa maneira; o objetivo deste trabalho foi avaliar in vitro e in vivo o efeito das concentrações de espermatozóides por dose inseminante; a fim de determinar o número mínimo de espermatozóides por dose inseminante na inseminação artificial tradicional sem alterar o desempenho reprodutivo das fêmeas suínas. O experimento foi desenvolvido no Laboratório de Tecnologia do Sêmen Suino(LRSTS); Laboratório de Tecnologia do Sêmen Caprino e Ovino(LTSCO) da FAVET-UECE e Granja Regina em Maranguape/CE. O sêmen de quatro reprodutores da linhagem Dalland foi coletado uma vez por semana; durante 10 semanas consecutivas. Após separada a parte gelatinosa; foi realizada a avaliação do volume (ml); concentração(x106sptz/ml); vigor(0 a 5) e motilidade espermática(%). Posteriormente; foi feita a diluição em BTS para produção de doses inseminantes (DI) nas concentrações de 1; 2 e 3;5×109. As amostras foram acondicionadas por 3 dias em temperatura de 17 °C. A cada dia de conservação foi realizado o monitoramento objetivo dos parâmetros de motilidade espermática (porcentagem de móveis; VAP e LIN) usando o sistema computadorizado de análise de sêmen (CASA). Para a etapa in vivo foram selecionadas as D.I de melhores resultados na etapa in vivo. Noventa fêmeas suínas foram divididas em três tratamentos sendo 30 fêmeas inseminadas com DI de 3;5 x 109 spzt/ml usando pipeta Goldenpig (controle); 30 fêmeas inseminadas com DI de 2 x 109 spzt/ml e 30 fêmeas inseminadas com D.I de 3;5 x 109 spzt/ml usando pipeta Goldengilt. Foram calculadas as taxa de não retorno ao estro; de parição e prolificidade. Observou-se na etapa in vitro que a D.I de 1 x 109 apresentou a menor porcentagem de espermatozóides móveis e menores valores de VAP e LIN quando comparada com os demais tratamentos. Na etapa in vivo; observou-se não existir diferença nas taxas de fertilidade quando comparadas as DI de 2 e 3;5 x109 sptz. Concluíu-se que a redução do número de espermatozóides para 1 x 109 por dose inseminante não teve efeito benéfico sobre a sobrevivência espermática in vitro; e parâmetros aceitáveis de fertilidade foram encontrados na DI de 2 x 109 ; o que possibilita a produção de 2 a 3 vezes mais doses por ejaculado.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UECE/CIÊNCIAS VETERINÁRIAS
  • Área de Conhecimento: MEDICINA VETERINÁRIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 359.52 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: