O Contraste De Nasalidade Em Falantes Com Fissura Palatina: Aspectos Da Produção – Camila Queiroz De Moraes Silveira Di Ninno

Acessar

Resumo:

O objetivo deste trabalho foi estudar o contraste da nasalidade de vogais e de consoantes do Português Brasileiro em falantes normais e em falantes com hipernasalidade e investigar a influência da tonicidade silábica e da ênfase neste contraste. Para isso; foram desenvolvidos três estudos; o nasométrico; o aerodinâmico e o de duração; envolvendo a análise de um corpus de oito informantes falantes normais e oito falantes com hipernasalidade decorrente de fissura labiopalatina; todos adultos do sexo masculino; com idades entre 20 e 40 anos. O corpus foi formado por pares de vocábulos com contraste de nasalidade na consoante; em diferentes posições silábicas e trios de vocábulos com contraste de nasalidade nas vogais; sendo o primeiro com vogal oral; o segundo com vogal nasal e o terceiro com vogal nasalizada; seguida por consoante nasal. O estudo nasométrico mostrou que falantes normais e falantes com hipernasalidade expressam em sua fala o contraste de nasalidade por meio de valores mais elevados de nasalância para os sons nasais; mas que a magnitude desta diferença é menor para os falantes com hipernasalidade. A posição postônica parece favorecer o contraste de nasalidade; bem como a posição da palavra no final de frase para os falantes normais e na posição medial de frase; quando enfatizado; para falantes com hipernasalidade. O estudo aerodinâmico revelou que falantes normais expressam em sua fala o contraste de nasalidade por meio de valores maiores de pressão oral e menores de pressão nasal; fluxo nasal e área velofaríngea para a consoante oral bilabial vozeada; quando comparada à consoante nasal bilabial. Falantes com hipernasalidade expressam este contraste apenas com valores mais altos de pressão oral. Para falantes normais a tonicidade não interferiu nos valores aerodinâmicos. A posição tônica inicial e a postônica favorecem o contraste de nasalidade nos falantes com hipernasalidade; por meio do aumento da pressão oral. O estudo da duração indicou que falantes normais e falantes com hipernasalidade expressam em sua fala o contraste de nasalidade por meio de valores de duração mais longos para sons nasais do que para sons orais. Falantes com hipernasalidade apresentam valores mais longos do que falantes normais para sons orais. As posições tônica inicial e tônica medial parecem favorecer o contraste de nasalidade em relação à duração; bem como a posição medial da frase. A partir dos três estudos realizados; concluímos que falantes com hipernasalidade apresentam a mesma tendência do que falantes normais para expressar na fala o contraste de nasalidade; no entanto; o fazem em uma magnitude menor; o que pode não ser suficiente para ser percebido pelos ouvintes.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFMG/ESTUDOS LINGÜÍSTICOS
  • Área de Conhecimento: LINGÜÍSTICA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2008
  • Tamanho: 1.69 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF:

Recomendamos para você

Abaixo você vai encontrar uma lista de livros que na nossa opinião podem ser interessantes para você.

São itens relacionados a esta oferta que você provavelmente vai gostar. Dá uma olhada! 👌

Termos relacionados

  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes pdf
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes baixar
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes epub
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes comprar
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes online
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes mobi
  • livro O Contraste De Nasalidade Em Falantes download