Níveis De Proteína Bruta E Balanço Eletrolítico Para Frangos De Corte – Franciele Clenice Navarini

Níveis De Proteína Bruta E Balanço Eletrolítico Para Frangos De Corte – Franciele Clenice Navarini
Acessar

Resumo:

Foram conduzidos quatro experimentos com o objetivo de avaliar os efeitos de diferentes balanços eletrolíticos e de teores de proteína bruta da ração para frangos de corte machos da linhagem Cobb criados em condições naturais de estresse calórico. No experimento 1 foram utilizadas 880 aves, no período de 1 a 7 dias de idade, com peso médio de 52 gramas. Sendo alojadas 22 aves por unidade experimental, comportando uma densidade de 14,10 aves.m-2 alojados em 40 boxes, distribuídos em delineamento inteiramente casualizados com 8 tratamentos, cinco repetições. No experimento 2, foram utilizadas 800 aves, no período de 8 a 21 dias de idade, com peso médio de 160 gramas. Sendo alojadas 20 aves por unidade experimental, comportando uma densidade de 12,82 aves.m-2. No experimento 3, foram utilizadas 640 aves, no período de 22 a 35 dias de idade com peso médio de 640 gramas. Sendo alojadas 16 aves por unidade experimental, comportando uma densidade de 10,25 aves.m-2. No experimento 4, foram utilizadas 480 aves, com peso médio de 1700 gramas, no período de 36 a 42 dias de idade. Sendo alojadas 12 aves por unidade experimental, comportando uma densidade de 7,69 aves.m-2. As rações foram formuladas a base de milho, farelo de soja e glútem de milho para atender as exigências nutricionais das aves, em todos os experimentos, segundo Rostagno et al. (2005), exceto para proteína bruta cujos níveis foram calculados, considerando os níveis recomendados reduzindo 5%, 10% e 15%, e dois balanços eletrolítico (200 e 240 mEq.kg-1) em todos os experimentos. Os animais receberam água e ração à vontade. Em todos os experimentos foi avaliado desempenho zootécnico (Ganho Médio de Peso, Consumo Médio de Ração, Peso Final e Conversão Alimentar), parâmetros sanguíneos (ácido úrico, proteína total, cálcio, sódio, potássio, cloro), e desenvolvimento ósseo (índice de Sedoor). As condições ambientais do galpão foram monitoradas seis vezes ao dia com auxilio de um termo higrômetro e um termômetro de globo negro e as leituras usadas para calculo do Índice de Temperatura de Globo Negro e Umidade (ITGU). Durante o período experimental, os valores de temperatura, umidade relativa, temperatura de globo negro e ITGU mantiveram-se acima da zona de termoneutralidade para frango de corte. Para as variáveis de desempenho, em todos os experimentos, exceto para o experimento 4, as aves obtiveram maior ganho de peso e peso final com o balanço de 240 mEq.kg-1. Em todos experimentos, as aves que receberam ração com redução dos níveis de PB apresentaram desempenho inferior em relação às alimentadas com ração sem redução protéica, independente do BE. Este resultado fica mais evidente na ração com redução de 15% de PB. Com relação às análises sanguínea, conforme se diminuía os níveis de PB na dieta, diminuía também a concentração de ácido úrico no soro (p<0,05). Para o balanço eletrolítico de 200 mEq.kg-1 verificou-se o maior valor de cálcio no soro sanguíneo. As aves obtiveram menores percentuais sangüíneos de proteína total com balanço na faixa de 240 mEq.kg-1, Os valores médios dos níveis de proteína total no sangue que variam de 2,36 (experimento 4) a 2,92 mg.dL-1 (experimento 2) e encontram-se abaixo de 3,6 mg.dL-1, considerados normais. As concentrações de K+, Cl- (Experimento 4), não foram influenciadas (p>0,05) pelos tratamentos. Em relação à concentração de sódio aos 21 dias de idade (Experimento 2), a redução da proteína bruta da ração diminuiu (p<0,05) as concentrações deste mineral no soro. Esta resposta, entretanto, não foi observada aos 42 dias de idade (Experimento 4). Para avaliação de desenvolvimento ósseo, somente os níveis de proteína PB utilizados no experimento 3, influenciaram linearmente o índice de Seedor do fêmur (P<0,05). O efeito dos níveis de PB sobre o índice de Seedor não foi significativo (P<0,05) para os demais experimentos. Para frangos de 22 a 35 dias de idade, os níveis de PB na ração provocaram efeito linear e decrescente no índice de Seedor do fêmur. Somente no experimento 1 os níveis de proteína PB utilizados influenciaram linearmente o índice de Seedor da tíbia (P<0,05), com resposta linear decrescente. A redução nos níveis de PB na dieta, implica em menores valores para o índice de Seedor, por diminuir o comprimento e peso do fêmur. De maneira geral a redução de 0%, 5%, 10% e 15% da proteína bruta da ração, em relação ao recomendado por fase, associada à correção do balanço eletrolítico, não se mostrou benéfica nas condições ambientais estudadas.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNIOESTE/ZOOTECNIA
  • Área de Conhecimento: ZOOTECNIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2009
  • Tamanho: 342.35 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF:

Recomendamos para você

Abaixo você vai encontrar uma lista de livros que na nossa opinião podem ser interessantes para você.

São itens relacionados a esta oferta que você provavelmente vai gostar. Dá uma olhada! 👌

Termos relacionados

  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço pdf
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço baixar
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço epub
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço comprar
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço online
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço mobi
  • livro Níveis De Proteína Bruta E Balanço download