Na Contra-Mão Da Lei: A Repressão Policial E Os Desviantes Da Ordem Em Florianópolis Nas Primeiras Décadas Do Século Xx – Juliana Sardá

Na Contra-Mão Da Lei: A Repressão Policial E Os Desviantes Da Ordem Em Florianópolis Nas Primeiras Décadas Do Século Xx – Juliana Sardá
Acessar

Resumo:

A passagem do século XIX para o XX esteve marcada no Brasil por profundas transformações políticas, sociais e econômicas, motivadas por uma série de fatores como a abolição da escravatura, a Proclamação da República, a imigração, o crescimento urbano. Essa nova configuração urbana suscitou uma série de reformulações não só na paisagem urbana, como também numa nova forma de pensar um país recentemente saído da escravidão. Assim surgiu o ideário de uma modernidade a ser alcançada e que colocaria a nação nos rumos do “progresso” e da “civilização”. Tendo o Rio de Janeiro como modelo, muitos desses anseios chegaram a Santa Catarina, especialmente em sua capital, Florianópolis. Diante disso, a presente pesquisa buscou investigar de que forma os habitantes da cidade foram reconstruindo seu cotidiano, especialmente aqueles considerados os desviantes da ordem que se tentava impor, como, por exemplo, prostitutas, presos, alcoólatras ou bebedores eventuais, jogadores, mendigos, alienados, menores, estrangeiros e pessoas que praticavam jogos e brincadeiras pelas ruas. A presença dessas pessoas na cidade se faz sentir, principalmente, através das constantes queixas e reclamações publicadas na imprensa exigindo a intervenção policial e do poder público. A atuação policial é então, freqüentemente solicitada na resolução das mais diversas questões urbanas, embora tivesse sua ação limitada em decorrência de um reduzido número de praças. Isso nos leva a crer que havia uma certa margem para que a população mantivesse seus modos de vida, resistisse ou recriasse seu cotidiano.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFSC/HISTÓRIA
  • Área de Conhecimento: HISTÓRIA
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2005
  • Tamanho: 1.29 MB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: