Estudo Epidemiológico E Molecular De Portador Nasal De Staphylococcus Aureus E De Staphylococcus Aureus Meticilinaresistente Em Pronto Atendimento Pediátrico E Em Unidades De Terapia Intensiva […] – Maria Aparecida Da Silva Vieira

Estudo Epidemiológico E Molecular De Portador Nasal De Staphylococcus Aureus E De Staphylococcus Aureus Meticilinaresistente Em Pronto Atendimento Pediátrico E Em Unidades De Terapia Intensiva […] – Maria Aparecida Da Silva Vieira
Acessar

Resumo:

Indrodução: Portador nasal de Methicillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) é um preditor de infecção subseqüente. Portadores de MRSA são um reservatório oculto, emergente na comunidade e nos serviços de saúde. Os objetivos deste estudo foram avaliar a prevalência e fatores de risco do portador nasal por S. aureus e MRSA em crianças atendidas em Pronto Atendimento (PA) e admitidas em Unidades de Cuidado Intensivo Neonatal (UCINs) e descrever as características moleculares de tais isolados. Método: Swabs nasais foram obtidos de crianças menores de 60 meses atendidas em PA e de neonatos de quatro UCINs do município de Goiânia, Brasil, em 2007 e 2008. A definição de MRSA seguiu critérios definidos pelo CLSI. Variáveis de exposição para portadores de S. aureus e MRSA foram obtidas por meio de entrevistas com mães e registros hospitalares. Regressão logística multivariada foram realizadas para identificar fatores de risco. A tipagem molecular foi feita por meio de staphylococcal cassette chromosome mec (SCCmec) typing, Pulsed Field Gel Electrophoresis (PFGE) e seqüenciamento de multilocus enzimáticos (MLST). Resultados: Um total de 2.735 crianças foi recrutado. No PA (n=2.034), as prevalências de portador nasal para S. aureus e MRSA foram de 20,1% (n=408) e de 0,2% (n=4), respectivamente. Nas UCINs (n= 701), a prevalência de portador nasal variou de 0,03% a 15,7% para S. aureus (n=64) e, de 0,0% a 2,0% para MRSA (n=4). No PA, o portador de MRSA foi independentemente associado à frequência de creche nos últimos 6 meses (OR=10,6; p=0,045) e malformação congênita (OR=26,8; p=0,002). Todos os portadores nasais de MRSA nas UCINs eram crianças internadas em hospitais privados e a única variável associada ao portador MRSA foi tempo de internação (p=0,023). Das quatro crianças portadores de MRSA no PA, uma portava SCCmec tipo III e, três, SCCmec tipo IV. Nas UCINs, duas crianças eram SCCmec tipo III e duas, SCCmec tipo IV. Todas as cepas SCCmec tipo III eram multidrogarresistentes (CLSI). Cepas MRSA relacionadas ao clones pediátrico/USA800 e epidêmico brasileiro foram detectados no PA e nas UCINs. Um cluster MRSA relacionado ao clone Western Australia/WA-1/ USA400 foi encontrado no PA. Conclusão: Crianças atendidas no pronto atendimento, especialmente aquelas que freqüentaram creche, e neonatos de UCINs apresentam potencial para disseminação de MRSA nos serviços de saúde. O estudo sugere transmissão cruzada de MRSA SCCmec tipo III e tipo IV entre serviços de emergência e hospitais.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFG/MEDICINA TROPICAL
  • Área de Conhecimento: SAÚDE COLETIVA
  • Nível: Doutorado
  • Ano da Tese: 2010
  • Tamanho: 783.68 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: