Efeitos Do Treinamento Resistido E Da Suplementação De Creatina Sobre A Morfologia E A Expressão Da Miosina De Cadeia Pesada (Mhc) No Músculo Estriado Esquelético De Ratos Wistar – Andreo Fernando Aguiar

Efeitos Do Treinamento Resistido E Da Suplementação De Creatina Sobre A Morfologia E A Expressão Da Miosina De Cadeia Pesada (Mhc) No Músculo Estriado Esquelético De Ratos Wistar – Andreo Fernando Aguiar
Acessar

Resumo:

Objetivo: Este estudo avaliou os possíveis efeitos do treinamento resistido e da suplementação de creatina sobre a morfologia e a expressão da miosina de cadeia pesada (MHC) no músculo estriado esquelético de ratos. Métodos: Ratos wistar machos (3 a 4 semanas, 80 a 100 g) foram divididos em quatro grupos: Não treinados sem a suplementação de creatina (Controle, CO; n= 8), Não treinados com a suplementação de creatina (Creatina, CR; n= 8), Treinados sem a suplementação de creatina (Exercício, EX; n= 8) e Treinados com a suplementação de creatina (Creatina + Exercício, CREX; n= 8). Os grupos EX e CREX foram submetidos a um protocolo de treinamento resistido de 30 dias, na qual foram realizadas sessões de saltos em uma cuba contendo água à 30ºC e 38 cm de profundidade, com intervalos de 40 segundos entre as séries. A sobrecarga de treinamento foi ajustada por meio de um colete acoplado na região torácica do animal, sendo equivalente a 50% do peso corporal, durante a fase de adaptação ao meio líquido (1º ao 5º dia), 60% nos dias subseqüentes (6º ao 25º), e 70% na fase final do treinamento físico (26º ao 30º). Os grupos CR e CREX foram suplementados com creatina (0,5 g/kg peso corporal) durante todo o período de treinamento físico, administrada via oral (gavage). Ao final do experimento, os animais foram pesados e sacrificados, o músculo sóleo foi retirado e os fragmentos musculares foram congelados em n-Hexano resfriado em nitrogênio líquido a -156°C. Cortes histológicos (10 μm) foram submetidos à reação da ATPase miofibrilar (mATPase) (pH 4,4), para a identificação dos tipos de fibras musculares (I, IC, IIC e IIA). Foi calculada a área de secção transversal (AST) dos tipos de fibras (200 fibras/ animal), utilizando-se um analisador de imagens Leica Qwin. A expressão da miosina de cadeia pesada (MHC) foi analisada através da técnica de eletroforese em gel de poliacrilamida (SDSPAGE). Resultados: Todos os grupos ganharam peso do início ao final do experimento, mas não houve diferença estatística entre eles. Os valores do consumo de ração diário de cada animal (CRA) e o consumo de ração total diário dos grupos (CRT) experimentais não foram estatisticamente diferentes entre os grupos. Não houve diferença significante na retenção hídrica intramuscular e na AST das fibras I, IC, IIC e IIA entre os grupos. O grupo CR apresentou um aumento significante no percentual da MHCI e redução no percentual da MHCII, comparado ao CO. O grupo EX aumentou o percentual de MHCII e reduziu a MHCI, em relação ao CO. Por outro lado, o grupo CREX não apresentou alterações no percentual de miosinas. Conclusão: A suplementação de creatina associada ao treinamento resistido não afetou a proporção das isoformas de miosinas. Porém, a creatina isolada promoveu um efeito antagônico ao treinamento resistido na modulação das isoformas de MHCs. Para a creatina ser efetiva na hipertrofia muscular, precisa ser incorporada ao regime de treinamento, sendo dependente dos ajustes de sobrecarga (intensidade), nas sessões subseqüentes de treinamento.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UNESP/BOT/BIOLOGIA GERAL E APLICADA
  • Área de Conhecimento: BIOLOGIA GERAL
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2007
  • Tamanho: 897.24 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: