A Utilização De Dados Intradiários Para A Construção De Modelos De Previsão De Volatilidade: Uma Comparação Entre A Variância Realizada E A Amplitude Realizada – Andre Flores Rodrigues

A Utilização De Dados Intradiários Para A Construção De Modelos De Previsão De Volatilidade: Uma Comparação Entre A Variância Realizada E A Amplitude Realizada – Andre Flores Rodrigues
Acessar

Resumo:

Recentemente a maior disponibilidade de dados intradiários tem possibilitado a construção de novas metodologias para a medição e previsão da volatilidade de ativos financeiros. Dentre estas se destacam a variância realizada; proposta por Andersen et. al. (2001) e a amplitude realizada; apresentada por Martens e Van Dijk (2006). Este trabalho utiliza dados intradiários da ação da Telemar negociada na BOVESPA no período entre 01/12/2003 e 03/12/2004. A partir destes dados são construídas medidas de volatilidade baseadas no retorno diário; na amplitude diária; na variância realizada e na amplitude realizada. Com o objetivo de minimizar os efeitos de microestrutura; amplificados pela utilização de dados intradiários; são realizados ajustes baseados nas técnicas desenvolvidas por Martens (2002) e por Dijk e Martens (2005). Conforme previsto na literatura observou-se que as medidas de variâncias construídas a partir de dados intradiários apresentaram um menor desvio-padrão; o que pode indicar uma maior eficiência destas medidas. Quanto aos efeitos de microestrutura observou-se que ambos os ajustes testados se mostraram eficientes; reduzindo o ruído. Também foram desenvolvidos estimadores para a variância futura. Para isso foram estimados modelos ARMA (2;2) baseados na volatilidade realizada e na amplitude realizada. Essas estimativas foram comparadas com o modelo GARCH (1;1) construído com base nos retornos diários. Para avaliar a qualidade dos estimadores foram realizadas regressões onde cada medida alternativa da variância foi utilizada como proxy da variância subjacente. Utilizando-se o R2 como medida da qualidade dos preditores; verifica-se que o modelo GARCH (1;1) com base nos retornos diários foi o que obteve os melhores resultados para todas as proxys da variância; com exceção das amplitudes diárias; onde nenhum dos preditores obteve os melhores resultados para todas as proxys da variância; com exceção das amplitudes diárias; onde nenhum dos preditores obteve bons resultados.

Detalhes:

  • Categoria: Teses e dissertações
  • Instituição: UFRJ/ADMINISTRAÇÃO
  • Área de Conhecimento: ADMINISTRAÇÃO
  • Nível: Mestrado
  • Ano da Tese: 2006
  • Tamanho: 216.73 KB
  • Fonte: Portal Domínio Público

Faça download do ebook em PDF: